quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Boca seca



A secura da boca, ou xerostomia, caracteriza-se por uma diminuição da quantidade de saliva produzida pelas glândulas salivares. Pode ocorrer a sensação frequente de boca seca, ou até a ausência total de saliva.

A importância da saliva

A saliva tem uma grande importância na manutenção da saúde da boca. Tem um papel fundamental na formação do bolo alimentar, favorecendo a mastigação, a deglutição e a digestão. Proporciona uma “lubrificação” de modo a que a língua e os restantes músculos se possam movimentar com maior facilidade; ajuda a controlar a flora oral (os microrganismos que vivem na boca). Estabelece e mantém o pH dentro da cavidade oral, atenuando o processo que dá origem à cárie dentária (capacidade tampão).

Quais os riscos da xerostomia

Como se depreende, numa situação de xerostomia pode ocorrer:

- Dificuldade em mastigar e deglutir os alimentos, levando frequentemente a problemas de digestão;

- Elevada sensação de desconforto;

- Diminuição do paladar;

- Diminuição do pH da saliva e, em consequência, um aumento do risco de cárie dentária;

- Alterações na flora oral. Pode, por um lado, contribuir para o aumento do risco da cárie dentária, mas também para o aparecimento ou agravamento das doenças periodontais (doenças das gengivas). Estas situações têm como consequência frequente a perda de dentes e dificuldade em tolerar as próteses dentárias;

- Mau hálito;

- Candidíase (infecção por fungos).

Em situações mais graves, os efeitos da xerostomia ocorrem em simultâneo, com uma incidência maior em indivíduos idosos, podendo originar problemas de má nutrição e debilidade física, uma vez que destes doentes têm grande dificuldade na ingestão dos alimentos.

Causas prováveis

As causas podem ser diversas:

- Idade avançada: com o passar dos anos as glândulas salivares vão sofrendo atrofia e diminuem a sua produção;

- Efeito secundário de diversos medicamentos, como por exemplo, anti-hipertensores, antidepressivos, tranquilizantes, anti-histamínicos e anti-colinérgicos;

- Doenças: diabetes, doenças congénitas – pessoas que nascem sem glândulas salivares—, Síndrome de Sjögren (uma doença, na qual o próprio organismo reage contra as glândulas salivares);

- Tratamento com quimioterapia ou radioterapia, sobretudo na região da cabeça e pescoço;

- Hábitos viciosos, tais como tabaco e álcool.

Quais os sintomas e quando se deve procurar um médico?

Se houver falta de saliva, o primeiro sintoma é obviamente uma sensação muito frequente de boca seca. Também pode sentir mau hálito, dificuldades em mastigar e/ou engolir os alimentos, perda do paladar, dificuldades em falar, intolerância às próteses dentárias e, em alguns casos, alterações na voz.

É importante consultar o médico logo que se começa a sentir o primeiro sintoma, ou seja, boca seca frequentemente.

Qual o tratamento indicado?

Em primeiro lugar, é importante fazer um diagnóstico correcto. Os tratamentos variam em função da causa e da quantidade de saliva produzida. Existem no mercado diversos produtos destinados a minimizar os efeitos da xerostomia e até a estimular a produção de saliva, assim como minimizar o desconforto.

Independentemente da causa, o paciente com xerostomia, deverá ser acompanhado pelo médico dentista e/ou higienista oral em intervalos não muito longos, para uma orientação na higiene oral permanente, tratamento e/ou prevenção das doenças periodontais e aplicações de flúor.

O que se pode fazer para minimizar o problema?

- Beber muita água para manter a hidratação, ao longo do dia, durante as refeições, para facilitar a mastigação. Ter um copo de água junto à cama, para poder beber sempre que acordar e sentir a boca seca;

- Evitar o consumo de bebidas com álcool ou cafeína (muitos pacientes referem um aumento da sensação de secura, após ingestão de bebidas com cafeína);

- Evitar, ou eliminar, o consumo de tabaco;

- Hidratar os lábios com produtos à base de vaselina;

- Preferir alimentação mole, húmida (pratos com molhos, sopa, por exemplo) e pouco condimentada;

- Escovar sempre os dentes de manhã, à noite, e sempre após as refeições, com uma pasta dentífrica com flúor;

- Bochechar com um elixir com flúor, e sem álcool, ou com elixir específico para boca seca;

- Mastigar pastilhas elásticas sem açúcar, desde que não mais de 15 a 20 minutos, de forma a evitar problemas no estômago. Mastigar estas pastilhas estimula a produção de saliva e ajuda a prevenir a cárie dentária.

Sem comentários: